PÁGINAS

domingo, 21 de dezembro de 2014

Briga entre gangues leva pânico e fecha comércio de Nazaré

Uma briga entre gangues do tráfico de drogas deixou moradores de Nazaré (município do Recôncavo baiano, a 216 km de Salvador) em pânico no final da manhã deste sábado, 20.
De acordo com o tenente-coronel da Polícia Militar Luziel Andrade Oliveira, comandante do 14º Batalhão de Polícia Militar, um tiroteio entre traficantes na localidade de Apaga Fogo, na periferia da cidade, acabou assustando a população, que pensou que os bandidos estariam invadindo a cidade.
O tenente-coronel Andrade Oliveira revelou que muitos boatos também circularam, o que contribuiu para difundir o clima de insegurança. Segundo a apuração preliminar da Polícia Militar, não houve mortes registradas.
De acordo com o que a equipe de reportagem apurou, até o início da tarde deste sábado apenas um integrante de uma das gangues tinha sido detido pela polícia. No entanto, o homem não teve o nome revelado.
Cinco viaturas da PM faziam rondas pelos bairros, segundo o oficial ouvido por A TARDE. Equipes da Polícia Civil do município vizinho de Santo Antônio de Jesus também foram enviadas a Nazaré para dar reforço nas ruas.

O prefeito Milton Almeida Júnior confirmou o clima de desespero dos moradores e revelou que ficou surpreso com o ocorrido. "Isso nunca aconteceu na cidade", disse o gestor.
Boatos
Com os boatos que circularam pela manhã em Nazaré, de que a cidade estaria sendo "invadida" por criminosos, moradores se trancaram nas casas e diversos estabelecimentos comerciais fecharam as portas por algumas horas, só retornando as atividades no início da tarde.
O comerciante José Mota, que possui um estabelecimento na região do centro do município, relatou que as pessoas ficaram em pânico e corriam para entrar nas lojas antes que as portas fossem fechadas.
"Estava tudo em paz, tranquilo e, de repente, virou um inferno. Eram pessoas correndo para todos os lados, falando que um grupo armado estava invadindo a cidade", contou o comerciante.
Mãe Stella
O ônibus da Animoteca, projeto de biblioteca móvel idealizado pela ialorixá Mãe Stella de Oxóssi, realizava ação social na cidade na hora do pânico geral, e serviu de abrigo para alguns moradores.
A religiosa estava presente, mas, segundo uma integrante da equipe do projeto, não teve nenhum problema.A Tarde

Nenhum comentário:

Postar um comentário