PÁGINAS

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Viviane Araújo fala sobre Belo, Radamés e sucesso na novela Império: "não sabia o quanto era amada"

Viviane Araújo é categórica ao dizer que está vivendo o melhor momento de sua vida. Não é para menos. No ar em Império como a manicure Naná, a modelo de 39 anos chegou ao horário nobre da Globo sendo elogiada por público e crítica.

“Estou bem, realizando sonhos. Se eu tivesse 20 anos vivendo tudo isso, beleza, mas veio agora, às vésperas do 40, e está tudo maravilhoso”, diz a rainha de bateria do Salgueiro, escola pela qual desfila há sete anos. 
Para Viviane, “atriz não tem idade” e, agora que pegou o gostinho, quer seguir a carreira até ficar “bem velhinha”. O caminho para ela foi foi longo, bem longo. E nada fácil.
“Eu sempre busquei as minhas coisas. E o que eu sempre quis está acontecendo. O negócio é não desistir e ter força de vontade para ir adiante. As pessoas dizem que sou guerreira e vencedora. A vida me trouxe isso. Até então não sabia que eu era”.
Nascida e criada em Jacarepaguá, Viviane a se formou em Educação Física, em 1996. Fez alguns estágios, mas a aptidão para a dança e o corpo em forma a levaram aos concursos de beleza. Entre as competições, foi eleita Pantera do Carnaval, em 1994, e tentou a sorte para a morena do grupo É o tchan em 1997, mas perdeu a vaga para Scheila Carvalho. 
“Ser atriz não era uma vontade desde criança. Ingressei no meio artístico com 16 anos. E aí, você participa disso, daquilo, e vai naquela euforia de adolescente. Nunca tinha pensado, tanto que fiz outra faculdade. Mas aí fui conhecendo pessoas e me sentindo à vontade”, recorda-se.
Em 1999, após passagens inexpressivas por programas como Turma do Didi e Malhação, conseguiu uma vaga na Escolinha do Professor Raimundo, como Rosa. Antes de chegar ao Zorra Total, em 2005, fez cenas de sexo com Tarcísio Meira na minissérie Um Só Coração. A nudez foi o de menos, ela conta. 
“Fiquei nervosa por estar com o Tarcísio. Mas ele foi supergentil”, elogia Viviane, que já estrelou oito ensaios para revistas masculinas, e não descarta o próximo: “No início a gente faz pelo reconhecimento mesmo, mas depois que as pessoas já te conhecem, é pela grana”.Belo e Radamés 
Exibir o corpo é o de menos para quem sempre teve a vida pessoal tão exposta. O namoro com o cantor Belo, por exemplo, durou oito anos e resultou em muitas notícias de jornal. Em 2002, quando o artista foi preso condenado de envolvimento com o tráfico de drogas, Viviane volta e meia era vista na prisão. A relação acabou em 2007, sob suspeitas de traição dele.
“Até mesmo quando você passa por situações, tem que tirar algo de bom. Eu não sabia que isso aconteceria, que eu viveria isso com dignidade e força. Deus me ajudou, e eu sempre acredito que as coisas vão melhorar”, diz ela, que costuma orar e ler a Bíblia. “Eu acredito no que a pessoa é, no que faz. Para as coisas acontecerem, você tem que fazer por onde, ser uma boa pessoa. E eu sou do bem”.
Foi ainda em 2007 que ela começou a namorar o jogador Radamés, hoje no Vila Nova (GO). Os dois moram juntos desde 2008, e a distância não atrapalha.
“Estamos sempre nos falando, ele está amarradão, gostando muito do meu trabalho. Acaba a cena, ele manda uma mensagem”, conta. “Desde garota, eu gosto mesmo é de namorar. Nunca fui de ficar. Sempre tive namoros longos”.
Viviane fala que sempre contou com o apoio dos pais, e do irmão, Rodrigo, de 41 anos. O pai, o ex-PM Jocenir, morreu em dezembro passado, aos 71 anos, cheio de orgulho da filha.
“Eu era muito apegada a ele. Porque meu pai sempre foi meu fã número um, e desde que comecei a desfilar, ele que me acompanhava. Minha mãe era mais resistente, não gostou quando apareci com os seios de fora. Mas meu pai mostrava minha foto no jornal para todo mundo. Ele queria muito estar vendo este momento. E está vendo”, crê.Belo e Radamés 
Exibir o corpo é o de menos para quem sempre teve a vida pessoal tão exposta. O namoro com o cantor Belo, por exemplo, durou oito anos e resultou em muitas notícias de jornal. Em 2002, quando o artista foi preso condenado de envolvimento com o tráfico de drogas, Viviane volta e meia era vista na prisão. A relação acabou em 2007, sob suspeitas de traição dele.
“Até mesmo quando você passa por situações, tem que tirar algo de bom. Eu não sabia que isso aconteceria, que eu viveria isso com dignidade e força. Deus me ajudou, e eu sempre acredito que as coisas vão melhorar”, diz ela, que costuma orar e ler a Bíblia. “Eu acredito no que a pessoa é, no que faz. Para as coisas acontecerem, você tem que fazer por onde, ser uma boa pessoa. E eu sou do bem”.
Foi ainda em 2007 que ela começou a namorar o jogador Radamés, hoje no Vila Nova (GO). Os dois moram juntos desde 2008, e a distância não atrapalha.
“Estamos sempre nos falando, ele está amarradão, gostando muito do meu trabalho. Acaba a cena, ele manda uma mensagem”, conta. “Desde garota, eu gosto mesmo é de namorar. Nunca fui de ficar. Sempre tive namoros longos”.
Viviane fala que sempre contou com o apoio dos pais, e do irmão, Rodrigo, de 41 anos. O pai, o ex-PM Jocenir, morreu em dezembro passado, aos 71 anos, cheio de orgulho da filha.
“Eu era muito apegada a ele. Porque meu pai sempre foi meu fã número um, e desde que comecei a desfilar, ele que me acompanhava. Minha mãe era mais resistente, não gostou quando apareci com os seios de fora. Mas meu pai mostrava minha foto no jornal para todo mundo. Ele queria muito estar vendo este momento. E está vendo”, crê.
Embora não tenha testemunhado a estreia de Viviane no horário nobre, Jocenir sentiu a popularidade da filha em 2012, quando ela saiu campeã do reality A Fazenda 5, da Record, com 84 % dos votos. A experiência serviu para que a própria percebesse seu número de fãs. E para que se conhecesse melhor.
“Eu não sabia o quanto era amada e aceita pelo público. Às vezes, até hoje dá saudade, do momento, das brigas, de ter que aturar certas pessoas. Eu vi uma Viviane como eu sou, determinada, sensível, forte. Não no sentido de força. No sentido de querer estar ali, querer vencer com dignidade que é o mais importante. As pessoas me deram o prêmio porque viram verdade em mim. Eu sou aquilo ali. Eu saí me sentindo, sei lá, o máximo”. 
Uma dessas pessoas que viu “verdade” em Viviane foi o autor Aguinaldo Silva. Logo depois do reality, ele demonstrou vontade de tê-la em sua novela. O papel inicial seria o da ex-rainha de bateria Juliane. Mas, após decisão da direção, a personagem coube a Cris Vianna. 
‘Tô feliz!’
“Eu só tenho que agradecer ao Aguinaldo. Está sendo ótimo, estou junto com Aílton (Graça), que é um parceiraço”, empolga-se ela, que chorou ao ver sua primeira cena. “Todos nós nos abraçamos. Fiquei em êxtase. Queria sair gritando ‘Tô feliz!’”.
Para a personagem, Viviane aprendeu a manusear instrumentos de manicure, e turbinou o mega-hair - ela já usava um. Também recorreu aos amigos gays, para incrementar o vocabulário com gírias moderninhas. Além disso, vem tendo aulas com a coach Camila Amado.
“Ela me ajuda bastante em tudo, me preparou não só tecnicamente como psicologicamente”, diz Viviane, se comparando a Naná: “Tenho isso dela, de ter coração bom, de querer ajudar. Mas Naná é desligada, ingênua. E eu não sou mais”.
Aguinaldo sabe muito bem por que escolheu Viviane. E conta que Naná foi criada especialmente para a atriz. O autor de Império diz que, pelo teste, percebeu a “ótima comediante” existente ali.
“A novidade é que ela deu riqueza de humanidade à personagem e a transformou num dos mais carismáticos daquele núcleo. A química entre ela e o Aílton é tanta, que não me sai da cabeça a ideia de casar os dois personagens”, avisa ele, acrescentando que entende o sucesso da atriz. “As pessoas a adoram, e não só os homens, principalmente mulheres, que veem nela uma guerreira, que lutou feito uma leoa pelo marido (o primeiro), perdeu a luta, mas não se deixou abater e foi em frente, e agora está aí, na novela das nove. Uma verdadeira estrela”.
As redes sociais confirmam o sucesso de Viviane. No Instagram são quase 500 mil seguidores, que acompanham cada detalhe. “Ganho muitas coisas e me pedem para postar. Mas não fico montada 24 horas. Malhar me faz bem, e sou esforçada. Nunca fui a aluna nota dez, mas sempre me empenhei”.
O comprometimento também é grande com o carnaval. Com 20 anos de folia, ela diz que sempre gostou de sambar. E mais: costuma tirar onda na avenida tocando tamborim com a bateria.
“Não sambo como uma passista, mas sempre observei pelas quadras. E você tem que gostar mesmo. No início, vai para aparecer, mas depois é aquela entrega”.Por conta das gravações, Viviane não tem conseguido frequentar a comunidade salgueirense com tanta frequência. Mas afirma que sua ausência não se tornou um problema.
“Disseram para eu não me preocupar “, afirma ela, que prefere não ligar para as críticas. “Algumas pessoas podem não me levar a sério mesmo. Muitos atores devem pensar: ‘por que ela’? Mas cada um tem seu lugar ao sol, sabe? Graças a Deus eu sou isso aqui. E sou de verdade”.Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário