PÁGINAS

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Situação do Rio Tietê, em São Paulo, suscita reflexões da sociedade nos demais rincões do país

Por ANTONIO MASCARENHAS
É por demais preocupante a situação do Rio Tietê, principal manancial hídrico no abastecimento de água no Estado de São Paulo. A queda de volume da água em todo o percurso tem deixado ambientalistas de olho em pé e a população preocupada com o agravamento da situação. O nível de água está tão baixo que o transporte de mercadorias já está prejudicado em vários trechos. O rio Tietê nasce a 840 metros de altitude na cidade de Salesópolis (São Paulo), atravessando a região da serra do mar, na direção leste-oeste, desaguando no rio Paraná (divisa entre São Paulo e Mato Grosso). Com 1.100 quilômetros de extensão e banhando 62 municípios, o rio integra 6 bacias hidrográficas. Cerca de 8 barragens foram construídas no percursos do rio que tem grande importância para a história do estado e do país, na medida em que serviu de rota para os bandeirantes, no Século XVIII, contribuindo para o surgimento de diversas cidades. Com o tempo o rio começou a ser poluído e essa é a grande questão em pauta. Como florescer matas ciliares, como evitar assoreamento e a poluição.  Além da necessa'ria intervenção dos entes governamentais, é de suma importância que a própria população possa contribuir para a situação degradante seja minimizada a curto e médio prazos.
O problema do rio Tietê suscita reflexões não apenas por parte de paulistas mas, convenhamos, em todos os Estados, principalmente no que concerne às emergenciais mudanças de comportamentos, inerentes à preservação ambiental.  Confira a excelente matéria produzida pelo  Jornal Bom Dia Brasil, da Rede Globo.Aproveitando o ensejo, convidamos as pessoas para participarem do evento no CETEP, nessa sexta-feira, 22, em S.A.Jesus e que tenciona, justamente, discutir a respeito das bacias hidrográficas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário