PÁGINAS

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Leonardo vê Neymar "atrasado" e ataca até o nome do Brasileirão

Ex-jogador, dirigente e técnico, Leonardo definitivamente é um personagem com rodagem no futebol. Os anos em funções variadas deram ao ex-atleta uma visão diferente, a ponto de criticar duramente a estrutura do futebol brasileiro e se posicionar a favor de várias mudanças, que vão desde o conhecimento tático de Neymar até o nome do campeonato nacional.
Em entrevista ao jornal "O Globo", Leonardo atacou a forma como o Brasil trata a marca do nacional e definiu a competição como "desinteressante".
"Precisamos criar uma nova estrutura para entrar no mercado. Estamos fora dele. Trabalhando direito, temos condições de fazer um NBA. Quanto custa o Neymar pra ficar aqui? Para o tamanho do negócio que se pode gerar, não é nada. Se, ao menos, fizéssemos um campeonato local forte, não precisaríamos nem competir com a Europa. A NBA não compete com ninguém e é um sucesso no mundo todo. Porque é um produto de altíssima qualidade. O Campeonato Brasileiro não passa em lugar nenhum do mundo. Não dá pra ver nem pela internet. Porque é um produto que não é reconhecido no mercado. Os jogos são desinteressantes, jogam em 70 metros, a TV não consegue nem enquadrar. Parece que há um desânimo, um conformismo. É assim mesmo, é assim que eu vou fazer e viver! E ainda se chama Brasileirão. Esse nome não pode ser internacional, nenhum estrangeiro entende, nem consegue pronunciar direito. Não vende lá fora...", disse.

Leonardo também falou sobre a noção tática de Neymar. Para o ex-jogador, o principal jogador da seleção brasileira está "atrasado" e ainda não é um craque completo. 

"Neymar falou que no Brasil se treina pouco. E ele só descobriu isso aos 22 anos! Será que ele não poderia ser melhor se tivesse descoberto isso aos 18? Se tivesse tido outras opiniões táticas, poderia ser um autêntico 10. Hoje ele é muito mais hábil, jogando com uma linha atrás. 

Ele tem tempo, ainda pode vir a se tornar um craque completo. Mas poderia já ser. Taticamente estamos muito atrasados. Thiago Silva aprendeu a ser zagueiro na Europa. Antes era um monstro só no físico. Virou o melhor do mundo lá fora. No Brasil a gente aprende a jogar bola, não a jogar o jogo", comentou.

Ao falar do conhecimento tático brasileiro, Leonardo acredita que existe uma confusão entre estratégia e jogo feio, o que atrapalha já que todas as outras grandes seleções evoluíram no quesito.

"Craque de bola é uma coisa. Ter estratégia é outra. A Alemanha hoje em dia tem talento, mas tem também estratégia. Já a Itália ganhou em 2006 só na estratégia. Materazzi, imagina, foi o artilheiro do time! Mas isso também é jogo! Só que a gente acha feio. Só que agora está todo mundo muito mais organizado taticamente. E para você conseguir fazer prevalecer o nosso talento, tem que estar organizado, pelo menos como eles. A gente precisa ter a visão do todo e depois colocar o jogador de talento. Aí, sim, vem o Neymar. Ele tem que ser o algo mais, não a base do time."

Para exemplificar a situação tática do Brasil, Leonardo citou o 7 a 1 sofrido diante da Alemanha na semifinal da Copa do Mundo.

"Não quero criticar apenas um jogo. Mas todo mundo sabia que a Alemanha ia pressionar a nossa saída de bola desde o início. Estava escrito. Se fosse um treinador italiano, ia dizer pro David Luiz mandar a bola lá pra frente e todo mundo sair. Os caras são melhores que a gente. Não dava pra jogar normalmente. Não sou contra um técnico estrangeiro, mas não acho imprescindível. Mourinho e Guardiola, sim. Não porque são estrangeiros. Mas porque são os melhores."

Nenhum comentário:

Postar um comentário