PÁGINAS

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Bélgica derruba 'paredão' Howard, vence e está nas quartas de final


O goleiro Howard estava em um dia inspiradíssimo. Realizou mais de dez defesas difíceis, foi o responsável por manter o empate até a prorrogação e eleito o melhor jogador da partida. A bela atuação do goleiro norte-americano, porém, não surtiu o resultado esperado porque, ainda assim, ele e seus companheiros estão fora Copa do Mundo.
Na Arena Fonte Nova, em Salvador, a seleção da Bélgica venceu os norte-americanos por 2 a 1 e está com uma vaga assegurada nas quartas de final do mundial. A campanha, chegando entre os oito times finalistas, é a segunda melhor na história do país.  A vida belga no restante da competição não será tranquila. No próximo sábado (5), às 13h, no Estádio Mané Garrincha, a Bélgica tentará uma vaga na semifinal diante da Argentina, de Lionel Messi. O jogo serviu, além de garantir a Bélgica nas quartas, para confirmar Salvador como a capital dos grandes de jogos. Com média de mais de três gols por partida, a capital baiana, até então, foi palco das melhores partidas da Copa do Mundo como Holanda x Espanha, Alemanha x Portugal, França x Suiça e Bélgica x USA.

Salvador entrou nas oitavas de final como a cidade detentora da maior média de gols da Copa do Mundo. Então, no clima da ‘cidade goleadora’, a seleção da Bélgica tratou de buscar o gol menos de um minuto de bola rolando na Arena Fonte Nova. Após roubada de bola na intermediária, De Bruyne percebeu a movimentação e lançou Origi. O centroavante bateu na saída de Howard, mas o goleiro norte-americano fechou bem o ângulo e segurou.

O jogo que começou melhor para os belgas, que tiveram a iniciativa e foram responsáveis pelos primeiros lances de perigo, sofreu uma pequena pausa inesperada aos 15 minutos. Pela segunda vez em Salvador um torcedor invadiu o gramado e precisou ser retirado por seguranças. Desta vez, o apaixonado pela Bélgica demorou quase dois minutos para ser alcançado e depois sair do gramado.

Apesar do início empolgante da Bélgica, o jogo caiu de produção até os 20 minutos, quando Dempsey resolveu testar o goleiro Courtois. Da entrada da área, o experiente atacante bateu e o arqueiro encaixou. A Bélgica respondeu imediatamente com dois lances. No primeiro, aos 21, Fellaini arriscou de fora e Howard defendeu. Na outra, após boa jogada, De Bruyne bateu fora e bola saiu pela linha de fundo.



Ainda que timidamente, o goleiro norte-americano foi o camisa 1 que mais apareceu no primeiro tempo. Aos 28 foi a vez de Hazard testa-lo em uma finalização sem muita força.

Os jogadores norte-americanos demoraram para chegar ao ataque. Aos 33, Jones aproveitou o passe do companheiro, mas errou na pontaria e mandou para fora uma boa chance. Quem também não passou giz no taco para Zusi, próximo à meia-lua, sequer conseguir o arremate.

No último lance antes do intervalo, o destaque belga até então, De Bruyne, pegou a sobra do cruzamento e encheu o pé. Howard, bem posicionado, segurou e não deu rebote.

Segundo tempo e pressão belga
Como no primeiro tempo, a seleção da Bélgica não precisou sequer de dois minutos para assustar os norte-americanos. De Bruyne, com um belo cruzamento de três dedos, colocou a bola na medida para Hazard. O atacante cabeceou e obrigou Howard espalmar para escanteio.

Os belgas eram melhores e buscavam o gol. Vertonghen aproveitou o espaço pela esquerda e cruzou rasteiro. Atrasados, Hazard e Origi, passaram da bola e não conseguiram tocar para o fundo do gol. Mas, apesar do lance, a pressão continuou. No minuto seguinte, de cabeça, o centroavante Origi acertou o travessão do goleiro Howard, que ficou sem reação e apenas observou ao lance. Tinha mais? Com certeza. Aos 12, Vertonghen entrou na área e bateu cruzado para Howard, com a perna esquerda, aparecer bem outra vez e impedir os Estados Unidos de levar o primeiro gol na Arena Fonte Nova.

Bélgica exagera nas chances desperdiçadas
De novo pelo lado esquerdo a Bélgica criou mais uma oportunidade. Origi, no papel de garçom, foi até a linha de fundo e cruzou para área. De letra, Mertens finalizou e viu a bola passar muito próxima ao poste direito da meta norte-americana. Coincidentemente, aos 21 minutos, os belgas chegaram ao 21º chute em direção ao gol de Howard, mas o gol teimava em não sair. Witsel aproveitou o espaço na entrada da área e bateu, mas pela linha de fundo.


Aos 26, com poucos minutos em campo, Mirallas tentou realizar uma grande jogada invididual. Passou por dois adversários, mas, ao tentar entrar na área, foi desarmado. A bola sobrou nos pés de Origi, que finalizou e viu Howard brilhantemente intervir mais uma vez para manter o zero no placar, e conseguir.

Três minutos depois, da entrada da área, Dempsey bateu e colocou Courtois para trabalhar. Foi apenas um lance enganador porque, segundos depois, a Bélgica continuou em cima. Aos 30, Mirallas recebeu passe de Origi e ficou de frente para o gol. O meia bateu cruzado, mas o goleiro Howard estava em uma tarde inspirada. Tirou com o pé esquerdo e salvou. A muralha norte-americana não parou de salvar a equipe. Aos 33, Hazard bateu cruzado e o camisa 1 defendeu.

Final de pressão da Bélgica
Era a tarde dele. Aos 30, desta vez em um chute de Origi de fora da área, o goleiro Howard estava lá no meio do caminho novamente para espalmar e impedir o primeiro gol belga. Com este lance, o arqueiro chegou ao número 11 de defesas na partida. Aos 42, Hazard entrou na área e desta vez não esbarrou em Howard. O atacante bateu de esquerda, mas errou na pontaria e só acertou a rede pelo lado de fora. Aos 44, posicionado como centroavante, o zagueiro Kompany também teve a chance dele. Finalizou e Howard espalmou para escanteio.
O esforço do goleiro norte-americano quase resultou na classificação da equipe no último minuto. Wondolowski, após desvio de Jones, ficou de frente para o gol, só ele e Courtois. Mas, ao pegar embaixo demais da bola, isolou a grande chance dos Estados Unidos se garantir nas quartas de final.

Prorrogação e dois gols da Bélgica
A insistência da Bélgica foi premiada aos 2 minutos. Lukaku, que entrou no fim do jogo, arrancou pela direita com muita velocidade e tocou para o meio da área. De Bruyne driblou o marcador e bateu cruzado, sem chances para o 'paredão' Howard: Bélgica 1 x 0 Estados Unidos. Nem mesmo o gol sofrido fez dos Estados Unidos uma equipe mais ofensiva. Aos 5, Lukaku chutou forte e o goleiro norte-americano mandou para escanteio.

Antes do intervalo da prorrogação, o goleiro Howard foi fundamental em dois lances que evitaram mais gols da Bélgica. Lukaku e Mirallas bateram e o arqueiro defendeu. No entanto, aos 13 minutos, ele não foi capaz de evitar o segundo tento adversário. Linda troca de passes até a finalização de Lukaku, de perna esquerda.

15 minutos finais e reação americana
A Bélgica era muito melhor e estava à frente do placar com dois gols de diferença. Mas, ainda assim, os Estados Unidos continuaram vivo na partida. Aos 2, de primeira, o atacante Green bateu no ângulo esquerdo e diminuiu o placar em Salvador. Pouco depois os norte-americanos quase empataram. Cruzamento para área, desvio no segundo pau e bola nos pés de Jones. Com a ponta da chuteira, o meia finalizou e a bola tirou tinta da trave.

Goleiros brilham
A participação de Howard na partida não acabou. Lukaku ganhou dos zagueiros, ajeitou para perna esquerda e bateu forte para outra boa defesa. Aos 6 minutos, os norte-americanos tiveram uma grande chance de empatar e tentar o levar a decisão para os pênaltis. Em cobrança de falta ensaiada, Dempsey entrou na área e chutou em cima do goleiro Courtois, que cresceu e fechou o ângulo.

FICHA TÉCNICA
Copa do Mundo - Oitavas de final
Bélgica x Estados Unidos
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data: 01/07/2014
Árbitro: Djamel Haimoudi (Argélia)
Auxiliares: Redouane Achik (Marrocos) e Abdelhak Etchiali (Argélia)
Cartões amarelos: Kompany (Bélgica) / Cameron (USA)
Gols: De Bruyne, Lukaku (Bélgica) / Green (USA)

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld, Van Buyten, Kompany e Vertonghen; Witsel, Fellaini, Mertens (Mirallas) e De Bruyne; Hazard (Chadli) e Origi (Lukaku). Técnico: Marc Wilmots

ESTADOS UNIDOS: Howard, Beasley, Besler, González e Johnson (Yeolin); Jones, Cameron, Bradley, Zusi (Wondolowski) e Bedoya (Green(; Dempsey. Técnico: Jurgen Klinsmann. Bahia Noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário