PÁGINAS

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Homem se acorrenta a árvore na Barra


Um protesto solitário feito por um homem de 54 anos chamou a atenção de todos que passavam pelo Porto da Barra ontem. Acorrentado a um tamarindeiro, o produtor cultural Roberto Torres tentava impedir a derrubada de mais uma árvore em um dos pontos mais visitados pelos turistas em Salvador. A atitude do produtor foi resultado do que ele presenciou no dia anterior.

“Eu estava lá no momento em que aquelas outras duas árvores foram derrubadas. Estou cansado de ver tantas delas sendo derrubadas pela cidade e ninguém faz nada. Esta cidade é a minha casa e as árvores meu jardim. Eu não podia ficar parado”, disse ele, que ficou acorrentado das 8h da manhã até as 16h, nesta terça-feira (3).
Em nota, a Prefeitura informou que a árvore na região do Porto da Barra, a qual o produtor cultural esteve preso, não será derrubada. A planta será apenas podada pela Superintendência de Conservação e Obras Públicas (Sucop) para garantia da segurança de pedestres. “Eles não contaram com a minha atitude, que foi chamar a atenção de toda a sociedade e eu consegui”, avalia Torres.


Ainda de acordo com a nota, sobre o episódio da derrubada da árvore nesta segunda-feira (02), no mesmo local, a planta, que já estava comprometida, começou a tombar durante a troca do calçamento. A afirmação é contestada por alguns trabalhadores da obra, que disseram que as árvores não estavam podres. Roberto Torres também não concorda com a informação e disse ainda que as fotos que tirou comprovam as boas condições da planta.

Quem passou e viu a cena, apoiou. “Ainda bem que podemos contar com a coragem deste homem. Isso também reflete a minha indignação”, disse o administrador João Pedro Andrade. Para o garçom de um bar no Porto, a atitude de Roberto Torres ajudou a preservar a árvore. “Agora eles dizem que não vão arrancar a árvore, graças ao que esse senhor fez. Foi uma fatalidade o que vi ontem”, observou.

O engenheiro e representante do Grupo Ambientalista da Bahia (Gambá), Renato Cunha, alertou que as árvores só devem ser erradicadas se houver algum problema que comprometa o ambiente ou a própria planta. “Se ela estiver com algum fungo, prestes a cair ou ainda se for mal plantada, deve ser retirada, mas isso depende de uma avaliação técnica feita por um especialista. Não é simplesmente por um desejo de um morador ou da prefeitura”, criticou o ambientalista.

A prefeitura informou ainda que cerca de oito mil árvores devem ser derrubadas porque estão comprometendo as calçadas da cidade ou a rede elétrica, comprometendo a integridade de motoristas e pedestres.Tribuna da Bahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário