PÁGINAS

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Fifa é acusada de esconder mascote Fuleco; saiba motivo

Mascote da Copa 2014, o Fuleco anda meio sumido do Mundial. De acordo com denúncia do líder da Associação Caatinga, Rodrigo Castro, o mascote não tem aparecido por conta de "uma proposta indecorosa feita de última hora" pela Fifa.

"Eles ofereceram um trocado [R$300 mil], um dinheiro que sobrou do programa de neutralização de emissão de carbono deles", acusou Castro. Ainda de acordo com o líder da ONG, o repasse do valor seria concluído no prazo de 10 anos.
Em 2012, a escolha do tatu-bola com mascote da Copa foi motivada pelo discurso de visibilidade à caatinga e salvação de uma espécie ameaçada de extinção. Por não ter realizado a doação, a Fifa estaria escondendo o Fuleco nos jogos da Copa, inclusive durante a abertura do espetáculo.

Em entrevista recente ao jornal o Estado de S. Paulo, Castro disse que "o Fuleco poderia ser um mensageiro de questões ambientais, mas não foi". Ainda de acordo com ele, para retirar o animal da lista de espécies em risco de extinção em dez anos seria necessário um investimento entre R$ 20 R$ 50 milhões.
Loja oficial da Fifa
Nas lojas da Fifa, o mascote é sucesso de vendas. O modelo de plástico, de 22 cm, custa R$ 59,90 no site oficial da Fifa, enquanto o de pelúcia, de 30 cm, é vendido por R$ 79,90. O valor é mais caro do que o do animal de verdade, negociado em mercado paralelos por R$ 50 cada, segundo denúncias de ambientalistas. Os tatus são capturados através da caça ilegal.

"Daqui a 40 anos, as pessoas vão lembrar dos jogos e do campeão da Copa, talvez até lembrem do mascote Fuleco. Mas nessa época o tatu-bola pode estar extinto e as pessoas nem lembrarem dele", declarou Castro.

A Fifa negou que esteja escondendo o mascote e afirmou que ele foi exibido em todos os estádios e durante a abertura.Correio


Nenhum comentário:

Postar um comentário