PÁGINAS

sexta-feira, 4 de abril de 2014

‘Alguém que eu gosto’ ou ‘alguém de que eu gosto’?


“Sérgio, se diz ‘alguém que eu gosto muito’ ou ‘alguém de quem eu gosto muito’?” (Carlos Roberto)
Na língua culta, o correto é dizer “alguém de que (ou de quem) eu gosto muito”. Isso porque o verbo gostar, sendo transitivo indireto, exige a preposição de.
O mesmo não ocorreria se o verbo fosse, digamos, adorar, pois este é transitivo direto. Neste caso bastaria empregar o pronome relativo “que”: “alguém que adoro”.
É claro que a preposição, quando exigida, varia de caso para caso. Quando o verbo é, por exemplo, morar, a preposição é em: “a cidade em que eu moro”.
Dito isso, vale observar que a linguagem informal costuma abolir as preposições em casos como este, contentando-se com o pronome relativo: “alguém que eu gosto muito”, “a cidade que eu moro”.
Na comunicação oral, sobretudo em situações informais, a abolição das preposições em construções desse tipo é comum – e pode até ser recomendável em determinados contextos, por denotar um relaxamento sintático que traduz intimidade e conforto com o interlocutor.
Por escrito, contudo, não se deve abrir mão delas jamais
Devido ao grande número de consultas dos leitores, o que vinha sendo provisório nas últimas semanas torna-se definitivo a partir de hoje. A seção Consultório agora é publicada às segundas, quartas e quintas. Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. para o e-mail sobrepalavras@todoprosa.com.br.

Nenhum comentário:

Postar um comentário