PÁGINAS

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Tablet, vídeo game e celular: Essas pequenas telas podem reunir a família?


Tablets, celulares, internet… as telas tomaram um lugar de destaque na família. Em vez de demonizá-las, muitos especialistas sugerem usá-las como uma verdadeira ferramenta para estreitar relações. Eles dão alguns conselhos para nos reconectarmos com os nossos filhos e evitarmos uma possível exclusão digital.
Um domingo em família: papai está no seu computador, mamãe busca suas receitas no tablet, Victor, 5 anos e meio, está jogando com o seu DS, Samuel 14, está mandando torpedos, Julieta 16 não sai da sua página no Facebook… O digital revolucionou o nosso comportamento. Tentar contornar isto não é necessariamente uma boa ideia e tem que se tomar cuidado para não acontecer uma ‘exclusão digital’ entre os adultos e as crianças. “Você pode dar para elas um papel inteligente”, diz o professor Pascal Lardellier , durante seu discurso sobre a revolução digital e mudanças na infância, em outubro de 2013 . “Cabe aos pais dar o primeiro passo “, disse Marie -France Heuzey , psiquiatra infantil no hospital Robert Debret na França .Inserção foto divulgação.Tribuna

Atenção às babás virtuais
“Os mais jovens gostam de tablets ou DS e são, aliás, mais habeis” diz a Dr. Marie -France Heuzey . Longe de demonizar as telas, a psiquiatra prefere informar os pais que vêm para a consulta : “A partir dos dois anos idade, as tablets visuais e táteis quando usados com os adultos podem participar no desenvolvimento cognitivo das crianças”.

Desde, claro, que eles não se tornem as novas babás virtuais. As telas não são babás, eles não devem substituir a presença dos pais. Uma opinião compartilhada pelo Professor Pascal Lardellier: “Para aqueles com menos de 11 anos, as telas devem ser usadas ??dentro de um quadro definido pelos pais, negociadamente e de maneira colaborativa. E antes de tudo, a posição participativa dos pais que deve ser solicitada. Da mesma forma que brincamos com eles usando os cubos, a massa de modelar ou ao trem elétrico …

Em família, cada um com sua tela
Vídeos games, música, streaming de séries de tv … O que é este novo mundo no qual eles estão submersos? “Interessem-se aos conteúdos que fascinam seus filhos para conhece-los melhor ” insiste o professor Pascal Lardellier . Devemos deixar de lado a visão negativa sobre as tablets!

Além disso, continua o professor : “O digital não deve ser um buraco negro que suga todos os outros meios culturais (filmes, livros, música … ) mas, ao contrário, uma ajuda interativa” . Depois de um filme ou uma exposição que vocês viram juntos, procurem informações sobre o diretor, os atores ou sobre o tema da exposição. Você também pode usar as funcionalidades dessas novas ferramentas de comunicação para criar mais ligações. ” Para uma festa de família, um de meus pacientes incumbiu sua filha de 12 anos de fazer os convites e seu filho de 14 anos, os envios.” lembra Dr. Marie -France Heuzey . Skype é uma é uma ferramenta para se conectar com a família quando você está longe e quer marcar encontros com os avós ou primos.

Na verdade, os meios digitais não são utilizados, ou pouco utilizados, por ignorância dos pais com essas novas ferramentas. “Cabe aos adultos recorrer a esse conhecimento e pedir ao jovens para inicia-los”, diz o professor Lardellier. Isso mostra que os pais reconhecem as habilidades de seus filhos e eles, por sua vez, se interessam a transmiti-la de gratificante para ambos! Ele acrescenta: ” deixa-los nos informar é uma maneira de criar um ligação entre as gerações. ”

Regras de uso:
Frente a intrusão dessas pequenas telas no círculo familiar, alguns pais se tornam impotentes e saem do seu papel. Algumas armadilhas devem ser evitadas:

Jogar com eles não significa tornar-se seus “amiguinhos”

“As vezes as mães, por exemplo, convidam-se a lista de amigos no Facebook dos filhos e deixam comentários em seus murais”, conta Dr. M.-F. O Heuzey . ” É um pouco como a leitura de seu diário íntimo” decodifica o psiquiatra. Algo mais comum do que as pessoas pensam.

Confiança em vez de espionar
Por outro lado, espionar o filho sobre o pretexto de que você se importa, também é proibido. Mais uma vez, para superar a exclusão digital entre gerações deve haver diálogo. Se você quiser falar sobre alguns desvios de conduta, fale com ele … e confie nele.

Integrar esta nova ferramenta de maneira enquadrada
“O auto controle do tempo em frente a tela continua sendo a regra principal”, insiste a psiquiatra Marie France Le Heuzey. “Não precisamos de momentos privilegiados em família, sem conexão internet, um passeio sem celular, um domingo sem um vídeo game … “, acrescenta o professor Lardellier .

O grande desenvolvimento das ferramentas digitais anuncia grandes mudanças na família. Elas devem ser levadas em conta sem demoniza-las e sem abdicar seu papel de pai e mãe que implica o enquadramento do uso dessas ferramentas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário