PÁGINAS

domingo, 12 de janeiro de 2014

Fugindo do trem

Por ANTONIO MASCARENHAS
O trem "apitava' não tão distante
E ela, envolta num vestido branco,transparente e molhado
Caminhava  por sobre os trilhos, de forma insinuante
Chovia e suas vestes, coladas ao corpo,
Mostravam contornos esculturais, estonteantes

Seus cabelos, revoltos, cobriam as faces
E ela, célere, continuava fugindo, (quem sabe?) de si mesma.
E as câmeras (imagináveis) colocadas estrategicamente
Captavam cada movimento de seu corpo

E o trem a cada instante dela mais se aproximava
Resoluta, continuava seu caminho,  alheia ao perigo iminente
A cada passo,  a certeza de que venceria o desafio
De repente, como num passe de mágica, desapareceu

É sempre bom, de vez em quando, dar vazão a nossos lampejos "poéticos". Gostamos muito de paisagens bucólicas, principalmente aquelas que são cortadas por linhas férreas como aquela que mergulha por baixo da BR-101,  logo após a cidade de Cruz das Almas-BA. "Inspirado" naquela paisagem é que resolvemos escrever essa "poesia". Imagens ilustrativas Google. Pedimos desculpas. Em 12.01.14


Nenhum comentário:

Postar um comentário