PÁGINAS

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Associação Comercial divulga resultado de pesquisa sobre

Pesquisa indica: Renegociação de dívidas é a melhor solução

Quando se tem o crédito e não se planeja sobre como utilizá-lo, o resultado é quase sempre o mesmo: não se consegue honrar o pagamento. A afirmação é fruto de uma recente pesquisa realizada pelo SPC Brasil onde foram ouvidas 1.238 pessoas nas 27 capitais brasileiras. Nessa pesquisa, descobriu-se que muitas pessoas já tiveram seus nomes inclusos na lista de devedores, por falta de planejamento financeiro e muitas delas só conseguiram quitar as dívidas, graças a renegociação das mesmas junto aos credores.
De acordo com a pesquisa divulgada na Revista Dirigente Lojista, edição 467, 46 % das pessoas entrevistadas admitiram que poderiam ter evitado a dívida caso fizessem algum tipo de planejamento. A pesquisa mostrou também que oito em cada 10 consumidores acabam conseguindo quitar suas dívidas quando procuram os credores para renegociação.

Ao se renegociar uma dívida, principalmente junto a entidades financeiras como bancos, o devedor consegue algum tipo de benefício que facilita a quitação, a exemplo de redução na quantia das prestações, juros menores e prazos mais longos. Entre os entrevistados, 46% informaram que o atraso no pagamento do cartão de crédito é um dos principais fatores que levam à inclusão do seu nome no serviço de proteção ao crédito. Em relação às classes sociais, a pesquisa apontou que a classe C concentra 47% dos devedores e os consumidores da classe A e E representam apenas 3% dos inadimplentes pesquisados.
O valor das dívidas também vem crescendo consideravelmente entre os inadimplentes, onde quase metade dos débitos contraídos (42%) já são valores que variam entre mil e cinco mil reais. Em 2012, a mesma pesquisa foi realizada e o percentual indicado entre os entrevistados era de 32% na mesma condição o que pode ser interpretado como um aumento do endividamentos das famílias brasileiras. (Aloma Brito – ACESAJ/CDL/SINCOMSAJ)


Nenhum comentário:

Postar um comentário