quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O QUE SE ESCONDE POR TRÁS DAS FUGAS DE PRISIONEIROS

Por ANTONIO MASCARENHAS
Na entrevista coletiva promovida pelo Coordenador da IV COORPIN, Dr. Edilson Magalhães, momento em que discorria no tocante à fuga de 27 prisioneiros do Complexo Policial de Santo Antonio de Jesus, ele foi enfático ao dizer que, no decorrer do ano que se finda, houve 10 tentativas de fuga, procedimentos que contribuiram para que as acomodações dos presos apresentassem desgastes que, indubitavelmente, fragilizaram a estrutura do estabelecimento. Alegou que chegou a fazer  injunção junto ao Ministério Público e à Secretaria de Segurança do Estado, não apenas a título de alerta mas, também, no sentido de que melhoramentos sejam realizados a curto prazo.
O QUE SE ESCONDE "POR TRÁS DAS FUGAS"
Temos oportunidade de ouvir, em audiências públicas e seminários sobre segurança que uma das saídas para, pelo menos, dar um freio à escalada da violência, seja a edificação de novas penitenciárias e a criação de sistemas prisionais agrícolas, no intuito de, não apenas de evitar  a superlotação carcerária mas, principalmente, oferecer aos detentos, punições que, ao invés de sedimentarem revoltas que quase sempre promovem retorno ao crime, possam despertar nessas pessoas sentimentos socializantes. A cadeia local tinha, até a ultima terça feira 78 presos para uma capacidade de apenas 44 reclusos. "-Lugar de presos à disposição da justiça é em presídios", conforme explana o Delegado. A questão é que as licitações para construção dessas unidades não foram, ainda,  realizadas.
A MOROSIDADE NA JUSTIÇA EMPERRA O APARELHO REPESSOR DA CRIMINALIDADE
A sociedade não  tem garantias palpáveis de que haja um sincronismo perfeito entre ações preventivas (polícias militar e civil), ações cerceativas (sistema prisional) e ações punitivas (judiciário). Acontece que, no plano jurídico, cada setor tem sua incumbência, "passando a bola para adiante". As polícias militar e civil prendem marginais colocando-os à disposição da justiça. Ocorre que, diante da superlotação carcerária, o colapso é inevitável: os bandidos autores  de crimes não-hediondos acabam voltando, logo-logo, às ruas. Na grande maioria dos casos, em razão da aplicação de penas brandas, no intuito de amenizar o sufoco das grades. É brincadeira!
A DIFÍCIL SITUAÇÃO DAS POLÍCIAS
Cabe à Polícia Civil o desenvolvimento de trabalhos investigativos, geralmente deflagrados a partir de demandas encaminhadas pela justiça, enquanto que, à Polícia Militar, a missão de agir de forma preventiva com relação a ocorrência de ilícitos. Os esforços dessas corporações são "hercúleos", quase sempre colocando na berlinda a integridade física de seus profissionais, em face da não disponibilização de condições satisfatórias para o enfrentamente, na mioria das vezes, de bandidos que se utilizam de verdadeiros arsenais para a consecução de suas investidas criminosas. 
POPULAÇÃO SOBRESSALTADA, TODAVIA, INERTE
Não resta dúvida de que a população, diante de fugas em massa, fique sobressaltada, temerosa. Por outro lado, restaria a ela  o conformismo, a inércia? Claro que não! Torna-se imperioso que usufruamos de nossos direitos de cidadania, pronunciando-nos, inferindo junto às autoridades, externando nossas opiniões,  indo às ruas, enfim, mostrando nosso repúdio a tudo isso que está acontecendo. Acontece que "as coisas só vão bem" até que eventual (iais) membro (s) da família de alguém se torna (m) vítima (s) de marginais. Só acorda quando, infelizmente, quando ilícitos já tenham se materializado. 
"O BURACO É MAIS EMBAIXO"
A população, infelizmente, entra num estado de acefalia tremendo. Ou seja, narcotizada não enxerga situações que, via-se-regra, deixam-na à deriva. As pessoas não enxergam que estão sendo complacentes, pactuantes e omissas. Elegemos, por exemplo,  deputados para que, não apenas legislem mas, também, que possam interceder, nas instâncias superiores,  por todos nós, ao postularem atração de investimentos para geração de emprego e renda; que possam "brigar" pela inclusão nos orçamentos plurianuais, mais recursos para a segurança. Infelizmente, as coisas não acontecem. Foto e inserção de imagens Google, Mascarenhas

Nenhum comentário:

Postar um comentário